I don’t swear. But I love you, believe.

IMG_5368

 

Clique aqui,  para ouvir Joy Williams – Don’t Let Me Down.  ❤

De que é feito o amor senão de todos os nossos tropeços? Eu não te prometi uma rotina sem nossos embates. Não prometi mansidão de espirito o ano todo. Não prometi apenas dias de calmaria. Eu te prometi amor. Amor mesmo com todas as nossas turbulências, com todas as nossas vozes alteradas, com toda a nossa teimosia. Amor. Eu não te prometi perfeição, pelo contrário, deixei bem claro que comigo viria todo o meu histórico de falhas, até mesmo as novas que ainda não haviam sido cometidas. Eu não te prometi que seria apenas o meu melhor o tempo todo, pelo contrário prometi logo o meu pior, para que você soubesse que mesmo em meio a inúmeros defeitos meus, se você ainda me mantivesse por perto, essa seria a nossa melhor definição de amor. Eu não te prometi ficar o tempo todo, mas prometi voltar, independente do tempo e dos contratempos que possam surgir em nosso caminho. Prometi memorizar o caminho de volta e não deixar que o tempo nos apague, ou que os quilômetros acabem por nos sufocar.

De que é feito o amor senão de toda essa nossa bagunça? Eu não te prometi deixar a casa em ordem. Não prometi manter cada sentimento e cada coisa em seu lugar. Não prometi tomar cuidado com os objetos mais frágeis. Eu te prometi amor. Amor mesmo na desordem, mesmo na falta de jeito, mesmo quando tudo estivesse parecendo errado demais. Amor. Eu te prometi sentimentos bagunçados, para que pudéssemos reorganizar cada uma das nossas desordens juntos. Eu te prometi mudar os moveis de lugar, mudar os sentimentos na mesma velocidade em que meu humor oscila, sem deixar oscilar a certeza de amar mesmo assim. Mesmo quando insisto em dizer que não amo. Mesmo quando insisto em tentar barrar você na minha vida, sendo que na verdade há muito você já me tomou por inteiro e eu nem sequer percebi antes. Eu te prometi quebrar o seu coração inúmeras vezes, com palavras ásperas demais e atitudes das quais eu não me orgulharia depois da poeira baixar, mas acima de tudo eu prometi reconstruir cada pedaço dele com você. Prometi não esconder as cicatrizes, mas também não deixar que elas nos definissem, afinal são só mais um capítulo na história, e jamais, jamais um ponto final.

De que é feito o amor senão de toda essa minha teimosia? Eu não te prometi concordâncias o tempo todo. Não prometi estruturas inabaláveis. Não prometi caminhar sempre na mesma direção que a sua. Eu te prometi amor. Amor mesmo quando eu discordar dos nossos planos pro domingo, mesmo quando você insiste em afirmar que é dia de futebol e eu digo que é só mais um dia qualquer, para ser gasto com preguiça, cama e um programa qualquer que ajude o sono a chegar. Eu te prometi tornar pó, todas as suas pontes de acesso ate mim, construir muralhas entre nós e só depois de um tempo reconstruir caminhos novamente até você, reaproximar. Eu te prometi caminhar do lado contrário, fazer meu norte completamente diferente do seu, não ter medo de dar as costas e seguir por atalhos nos quais você jamais arriscaria se aventurar. Prometi soltar as amarras, tornar livre, desejar sentir saudade só para depois entender a proximidade que um abraço é capaz de expressar, silenciosamente.

De que é feito o amor senão de nós dois? Eu não te prometi um par. Não prometi juras de amor diárias. Não prometi beleza. Eu te prometi amor. Amor sendo o mais impar dos pares, sendo dois em toda as suas características próprias, sem abandonos de personalidade, sem meias verdades, sem disfarces. Prometi amor que fala por si, sem precisar de clichês, sem frases feitas ou poesias decoradas. Amor. Prometi cabelo bagunçado todas as manhãs, olheiras depois de noites difíceis, quilos a mais depois de uma semana regada a TPM e chocolates. Eu te prometi não prometer nada no final. Prometi um amor livre de promessas, livre de contratos, livre de obrigações. Amor livre. Amor que vai e volta. Amor que permanece. Amor que suporta, que releva, que acredita e desacredita de ser amor. Mas que ama mesmo assim, mesmo na indecisão, mesmo na desordem, mesmo na insegurança. Amor. Amor com todas as suas imperfeições. Amor humano. Amor que mais erra do que acerta. Amor. Amor feito eu e você, completamente frágil e ao mesmo tempo de uma força desmedida.

Apenas amor.

Anúncios

Diz aí que eu te escuto

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s